19 de dezembro de 2009

Hora Absurda

O teu silêncio é uma nau com todas as velas pandas...
Brandas, as brisas brincam nas flâmulas, teu sorriso...
E o teu sorriso no teu silêncio é as escadas e as andas
Com que me finjo mais alto e ao pé de qualquer paraíso... ~

Meu coração é uma ânfora que cai e que se parte...
O teu silêncio recolhe-o e guarda-o, partido, a um canto...
Minha ideia de ti é um cadáver que o mar traz à praia...,
e entanto
Tu és a tela irreal em que erro em cor a minha arte...

Abre todas as portas e que o vento varra a ideia
Que temos de que um fumo perfuma de ócio os salões...
Minha alma é uma caverna enchida p'la maré cheia,
E a minha ideia de te sonhar uma caravana de histriões...

(...)

Fernando Pessoa

2 comentários:

  1. "O teu silêncio é uma nau com todas as velas pandas...
    Brandas, as brisas brincam nas flâmulas, teu sorriso...
    E o teu sorriso no teu silêncio é as escadas e as andas
    Com que me finjo mais alto e ao pé de qualquer paraíso..."

    Esta quadra de Fernando Pessoa é, sem qualquer dúvida, das minhas preferidas da Literaura Portuguesa... Boa escolha!

    ResponderEliminar
  2. Sem dúvida... linda, profunda, sublime... obrigada pelo comentário:)

    ResponderEliminar